terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

O que sabemos sobre ortografia?


Uma das grandes preocupações dos professores das séries iniciais é a questão da ortografia.

É muito comum o professor revisar o texto dos alunos, corrigindo "palavras erradas".  Esta prática merece algumas reflexões e não pode ser automatizada.
A correção de um texto vai muito além das questões ortográficas, mas também passa por elas.  Ao deparar-se com o texto do aluno o professor deveria diagnosticar o tipo de erro por ele cometido a fim de trabalhar as dificuldades reveladas.  A questão, no entanto, é que muitas das vezes este mesmo professor não tem conhecimentos suficientes para categorizar estes erros.
O livro: Ortografia: Ensinar e Aprender, de Artur Gomes de Morais, trata sobre estas questões com bastante clareza e simplicidade, além de auxiliar o professor teoricamente, como se pode ler abaixo em um trecho extraído do livro e publicado na revista Nova Escola, em 2003: 

Teoria

A convenção que unifica a escrita das palavras em Língua Portuguesa exige algum esforço para ser compreendida. Observe abaixo os casos mais freqüentes, seguidos de exemplos práticos.

Regulares — São as palavras cuja grafia podemos prever e escrever, mesmo sem conhecê-las, porque existe um "princípio gerativo", regra que se aplica à maioria das palavras da nossa língua. As correspondências regulares podem ser de três tipos:

Diretas — Inclui a grafia de palavras com p, b, t, d, f e v (exemplo: pato, bode ou fivela). Não há outra letra competindo com elas, mas é comum a criança ter dificuldade para usá-las por causa do pouco conhecimento da pronúncia.

Contextuais — A "disputa" entre o r e o rr é o melhor exemplo desse tipo de correspondência. A grafia que devemos memorizar varia em função do som da letra. Por exemplo: para o som do "r forte", usamos r tanto no início da palavra (risada), como no começo de sílabas precedidas de consoante (genro). Quando o mesmo som de "r forte" aparece entre vogais, sabemos que temos que usar rr (carro, serrote). E, quando queremos registrar o outro som do r, que alguns chamam de "brando", usamos só um r, como em careca e braço. Essa variedade explica por que, a princípio, as crianças têm tanta dificuldade.

Morfológico-gramaticais — Nesse caso são os aspectos ligados à categoria gramatical da palavra que estabelecem a regra com base na qual ela será escrita. Por exemplo: adjetivos que indicam o lugar onde a pessoa nasceu se escrevem com esa (francesa, portuguesa), enquanto substantivos derivados se escrevem com eza (certeza, de certo; avareza, de avaro). Na maioria dos casos essas regras envolvem morfemas (partes internas que compõem a palavra), sobretudo sufixos que indicam a família gramatical.

Irregulares — Não há regras que ajudem o estudante a escrever corretamente. A única saída é memorizar a grafia ou recorrer ao dicionário. Elas se concentram principalmente na escrita:

• do som do s (seguro, cidade, auxílio);
• do som do j (girafa, jiló);
• do som do z (zebu, casa);
• do som do x (enxada, enchente);
• o emprego do h inicial (hora, harpa);
• a disputa entre e, i , o e u em sílabas átonas que não estão no final de palavras (seguro, tamborim);
• ditongos que têm pronúncia "reduzida" (caixa, madeira, vassoura etc.).

Texto adaptado do livro Ortografia: Ensinar e Aprender, de Artur Gomes de Morais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário